Home > Carreira > Por que há profissões importantes que o mercado pouco valoriza?

Nos dias de hoje, época de crise econômica, cada vez mais vemos as empresas dispensando profissionais pelo desaquecimento do mercado como um todo no Brasil. Poucas empresas no Brasil podem dizer que a crise econômica não está atrapalhando seu faturamento a ponto de demitir profissionais.

Mas entre esses postos de trabalho que estão sendo extintos podemos destacar duas: Auxiliar Administrativo e Professor.

Professor e Auxiliar AdministrativoAuxiliar Administrativo é aquele que faz todo o trabalho administrativo diário das empresas, aquele que desenrola a maioria das papeadas burocráticas da empresa, mas que de tão pouco valorizado é sempre um dos primeiros a entrar na lista de dispensas por contenção de gastos das empresas. O piso salarial do auxiliar administrativo não é lá essas coisas, sempre fica em torno de R$ 1000,00 a R$ 1500,00.

Professor é algo muito mais grave. Estatísticas apontam que diversos professores estão sendo dispensados de escolas particulares por motivos de atrasos dos alunos nas mensalidades e evasão, já que devido a crise várias famílias estão transferindo seus filhos para a rede pública de ensino. O piso salarial dos professores também é algo que merecia muito mais debates da sociedade. Como pode um profissional que tem como função formar os outros profissionais ganhar um piso salarial de menos de R$ 2000,00 na rede pública e mesmo assim ser alvo de demissões prioritárias pela rede privada?

Esses são só dois exemplos de como há profissionais de elevada importância para o mercado são pouco valorizados em seus determinados mercados. Claro que há diversos outros exemplos de profissões que são pouco valorizadas e que são alvo das primeiras ondas de demissões em casos de crise, mas é de se ficar boquiaberto como cargos essenciais que passam ao largo de serem priorizados e respeitados como mereciam realmente.

E a sua profissão? É valorizada pelo mercado? Sua empresa está demitindo? Você foi demitido nesta crise? Conte-nos um pouco mais sobre sua vida profissional nos comentários abaixo.

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*